Dica importante: Respeitem os comentários alheios, não ofender. Se quiser fazer alguma critica ou sugestão, faça de maneira construtiva, e não agressiva.INTERAJAM para que o blog fique mais interessante! A participação de vcs, o público alvo é muito importante! Comente, envie sugestões de temas que gostaria que fossem abordados no blog, enfim, dê a SUA contribuição! Obrigada!

Videos interessantes

Loading...

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Não-Monogamia x Poliamor x Promiscuidade


 
Qual é a diferença entre um e outro? Não-monogamia é o nome dado a toda modalidade de relacionamentos que envolvem mais de duas pessoas, onde você só se dedica a um parceiro, na não-
monogamia, você pode ter mais de um parceiro. A modalidade seria o poliamor, onde ao inveés de um casal você tem uma tríade ou um “trisal”, que pode ser dividido por duas mulheres e um homem (MHM), três mulheres (MMM), três homens (HHH) ou dois homens e uma mulher (HMH).  Bigamia também é outro nome que se dá quando se  relaciona/ se casa com duas pessoas bi= dois. Gamo/gama/gamia=  união, casamento.

 Mas há um certo preconceito nesse tipo de relação múltipla por parte das pessoas adeptas da monogamia. Elas acham que poligamia é sinônimo de putaria, libertinagem e promiscuidade. Pessoas não-monogâmicas não necessariamente são promíscuas. Promiscuidade é se relacionar  sexualmente com qualquer pessoa sem medir riscos, sem proteção, sem certos cuidados básicos.  Numa relação múltipla há a possibilidade de se relacionar sem correr risco de contrair doenças, desde que todas as pessoas envolvidas cheguem a um consenso de proteção. As pessoas monógamas creem que  não seja possível se apaixonar/ amar mais de uma pessoa e podem ver tal modalidade como “traição”, mas nelas h[á um acordo me comum, logo não pode ser definido como traição, pois todos estão cientes da relação em conjunto. Há ainda o amor livre ou relações livres, onde você pode estar conm as pessoas sem um envolvimento mais profundo. Nas relações abertas, cada parceiro tem direito a ficar com alvguem por fora do namoro principal, mas com o conscentimento do outro, mas geralmente essas pessoas de fora são apenas curtições de momento, pode ser apenas uma ficada ou uma relação sexual casual, não afetando em nada o envolvimento central dos parceiros da relação a dois/duas estável.  Eu particularmente nunca tive um envolvimento assim, mas acredito nele e acho valido para quem o tem, já que o amor não precisa ser  uma coisa restrita.  Os adeptos do poliamor tentaram relacionamentos monogâmicos, mas não coseguiram se adaptar porque no meio do caminho se depararam compaixões por uma terceira pessoa. Há quem ache qie seja uam forma de se livrar da culpa, mas ao meu ver, é até uma forma de não  excluir a terceira pessoa, ainda mais que tem pessoas que tem o azar de se interessar por pessoas já comprometidas, e ai nesse caso dos predispostos à poligamia, fica algo menos egoísta. O ciúme pode existir, mas creio que quando se esta disposto a experimentar algo novo, a experiência ensina a lidar com isso,  são essas as  vantagens que vejo. Os vlogers  do canal das Bee prepararam um vídeo sobre o assunto com o ponto de vista deles,  confira e busque mais informações sobre o assunto e responda: você se imaginaria em uma relação não monogâmica, já viveu uma, ou conhece alguém que viva uma relação assim? Beijos e até o próximo post! Curta o vídeo!!
 




















terça-feira, 23 de setembro de 2014

O machismo nosso de cada dia que irrita as mulheres....





Esse ainda é um assunto que muito nos perturba, mas ainda assim é pertinente e nós enquanto mulheres, brancas, negras, indígenas, orientais, cis, trans, héteros, bissexuais, lésbicas e afins devemos lutar contra ele.  Todas nos somos diretamente afetadas pelo machismo, umas mais do que outras, mas um grande exemplo  de machismo vem da revista CAPRICHO na versão online, que trazia uma enquete para uns garotos  entre 14 e 18 anos sobre que tipo de menina servia pra namorar, ficar ou “largar”. Houve uma comoção geral nas quais muitas ficaram insatisfeitas com as respostas dos garotos, alegando que falavam de algo que mal conheciam. Eu mesma já fui leitora desse tipo de revista (atrevida, todateen e derivados), e posso afirmar com prova de causa que TODAS ELAS FAVORECEM E INCENTIVAM O MACHISMO, pregando a submissão feminina para que seja devidamente aceita pela ala masculina como uma “boa companheira”.  Elas pregam um determinado estereótipo de como uma garota (principalmente heterossexual) deve se portar para atrair e conquistar garotos, excluindo assim, tudo que esteja fora desse padrão modelo, desmoralizando a menina e a mulher reais.  Já não é de hoje que leio sites que favorecem o homem em todos os sentidos, tipo listas de “25 tipos de mulheres que irritam os homens” (é só pesquisar no Google) com regras bobas que criticam diversas atitudes tipicamente femininas, mas que não deveriam ser levadas tão a sério, e quando reclamamos dizem que não aceitamos criticas, mas quando vira contra eles, aí o negocio muda e aí ELES reclamam!
 
 O machismo se pauta na ideia de inferiorização e também fetichização da mulher e obediência cega ao homem, onde ela teria que estar sempre disposta a servi-lo, mas não receber reconhecimento e valorização em troca (na Biblia tem algumas passagens sobre machismo), e começou na ideia de que a mulher dependesse do homem para procriar, criando uma supervalorização do pênis (falocentrismo), daí se abrem os leques para mais ideias machistas, por exemplo, é daí que se tira também a ideia de que “se a mulher transar com um homem que a pegue de jeito deixará de ser lésbica”, ledo engano! Mulheres lésbicas nascem assim e não o são por serem “mal comidas”, até porque na fase de experimentação, comprovaram que não curtem mesmo, então não iria ser com um estupro corretivo que iriam passar a gostar.  Mas enfim, o conceito machista se subdivide em algumas pseudo crenças, são algumas delas:

Submissão: a mulher ‘deve’ (notem o tom imperativo) esperar a abordagem do homem para paquera e compromissos, se comportar socialmente, mas ‘deve’ fazer de tudo na cama – eu discordo.  Eu como bissexual não vejo problemas em tomar a iniciativa, que por acaso é muito diferente de ser atirada e vulgar. Já fiz e deu certo. E não, ninguém é obrigada a se sujeitar a praticas que não gosta em favor de homem nenhum!  Tudo precisa ser feito com consentimento de ambos, senão não seria um casal. E se por um lado a mulher que toma iniciativa é atirada ou puta, pq por outro o “fazer de tudo na cama” conveniente não a torna uma “puta”? Mais uma vez, a tentativa conveniente do homem em manipular a mulher a se converter no que ELE quer, na hora que ELE quer.  Tem que ver isso direito, produção!

Mulher que usa decote e mostra a bunda não se dá o respeito – essa além de machista é tremendamente hipócrita! Todo homem hétero que eu conheço olha decote, principalmente se a mulher for bonita, já esteve em algum site pornô e depois vem com essa?? E quanto aos homens que mandam fotos do pau pras mulheres?? Será que eles se dão ao respeito?? E depois vem reclamar que mulher só quer grana, carro e beleza!!  Eu acho que cada um tem o direito de andar como tem vontade, é claro que ninguém vai sair pelada na rua, mas admitam, vocês acham decotes sensuais, então não venham com essa de falta de respeito e vulgaridade! Pior é que algumas mulheres criticam outras com esse mesmo argumento machista, mas também gostam de posar em selfies com decotes e vestidinhos curtos, haja hipocrisia!

Eu traio porque eu sou homem e ‘a carne é fraca’, mas mulher tem que ser fiel -  então quer dizer que se mulher trai estará errada, mas o homem pode só porque é homem e não aguenta ver um rabo de saia? Então também podemos ser feminazis, radfemmes ou femistas, afinal somos MULHERES que sofremos com machismo todos os dias, corremos riscos de ser estupradas, espancadas por maridos violentos e portadores de ciúmes doentios, então podemos ter crises de androfobia por causa dessas atitudes machistas e agressivas e pregar o ódio aos homens e podemos trair também ;)   

A mulher tem que se guardar para o ‘homem certo’ (entenda-se ser de um homem só), mas os homens podem ter várias mulheres, trepar com várias e ser ‘o cara’ que fica tudo bem, mas a mulher que sai com vários é puta  e rodada – será que eu preciso comentar essa?? Por que a mulher TEM QUE permanecer casta, pura enquanto os homens já meteram o pau deles em tudo quanto é vagina disponível por que ela não pode ter o mesmo direito de ficar com vários caras se ela quiser assim?

Ela só foi estuprada porque fica andando com roupas curtinhas e não se comporta como uma mulher direita – se comportar como mulher distinta é andar com roupas longas ou como as mulheres de países árabes que ficam sufocadas naquele calor, só pra mostrar que se valorizam e “sabem sue lugar”? Por que sempre a vitima tem que ser culpabilizada e o opressor poupado e mantido invicto?? Assim se favorece a impunidade, sabiam disso??  Na mesma categoria estão aqueles que defendem a agressão de mulheres lésbicas, simplesmente por não aceitar que elas não são obrigadas a serem femininas ou andar de  mãos dadas com um homem.

Mulher bissexual não existe, é frescura, querem aparecer, chamar atenção e  só estão atrás de mulher porque nenhum homem quis, porque tiveram decepção – que qualificações você tem pra definir a veracidade da sexualidade dela e se existe um motivo pra ela se dizer bi?? Isso e uma puta invasão de espaço e falta de respeito, além de claro, uma definição machista, pq limita a mulher a uma condição de que “ela só poderia ter interesse em outra mulher por não ter uma boa foda com homem” e mais uma vez, o falocentrismo batendo à sua porta, pois enfatiza que a boa foda faz um homem de verdade e viril e assim, a mulher jamais sentirá vontade de ficar com outra mulher!  E by the way, os mesmos filhas da puta que acham que isso não existe, fazem questão de tocar punheta ao ver duas lindas gatas se pegando, conveniente, não?  Entendam uma coisa: a mulher simplesmente é bissexual ou lésbica, ela sente isso porque nasce assim. Não está aliviando dor de corno com homens, e se ela for bi e sente melhor com outras mulheres, ela tem todo o direito de se relacionar apenas com mulheres, fim de papo.

As mães e pais tem um pouco de culpa nessa historia porque pelo tipo de criação dos filhos,  acabam perpetuando essas crenças, mulheres que foram submissas ao longo da  vida   e creem que esses princípios são os exemplos certos a serem seguidos. Mas isso é opressivo. A mulher tem todo direito de viver sem depender de um homem pra validá-la como mulher, agir como ela quiser e ter o direito de ser ela mesma quando o assunto é conquista, livre de regras e imposições patriarcais da sociedade, tem o direito de trabalhar, ganhar igual ou até melhor que o homem, de ir e vir e se relacionar com quem ela bem quiser, sem ser apontada ou subjugada por isso.  Mulhernão tem que aceitar tudo e baixar a cabeça e a guarda, mulher  é digna de respeito, sem ela, jamais estaríamos aqui.  

























 Utilizar a materia do 10 motivos de ainda estar solteira do "casal sem vergonha"

23 de setembro - Dia da visibilidade Bissexual

 




Dia da visibilidade bissexual
 
Como poucas pessoas sabem, hoje, além do inicio oficial da primavera, temos uma primavera tricolor (magenta-púrpura-indigo), pois é o dia (acho que internacional) da visibilidade Bissexual!! Todos sabem que bissexuais são pessoas que sentem atrações físicas, sexuais e emocionais direcionadas a ambos os sexos de gênero binário e cisgênero (masculino e feminino - homem e mulher), mas não vamos prolongar este tipo de discussão e sim os efeitos da invisibilidade e descrença na orientação bi. Frequentemente somos desacreditados por lésbicas e héteros; se por um lado acham que  temos vantagens como,  mais chances de “nos dar bem” pois podemos arranjar tanto namoradas como namorados (o que é um doce engano rs...pq as coisas não são bem assim), que somos os únicos que podemos “optar” por uma sexualidade, tem a massa que pensa  nos pontos mais negativos possíveis e  acha que somos mais propensos a trair, passar doenças por achar que somos promíscuos, que somos instáveis, indecisos e confusos, tentam nos apagar de vez e  a suposta obrigação de decidir pra nos unificar a um desejo monossexual (apenas por um gênero) se torna uma pressão frequente  e consequentemente uma opressão. Não precisamos decidir, sabemos do que gostamos e o que queremos e como queremos e sim, ESTAMOS AQUI, e o dia 23 de setembro está aí para provar isso pra quem quiser saber!! Antes de dizer que “bissexuais não existem”, que “isso é só uma fase”, que “é frescura no cú”  que é “modinha adolescente” ou “coisa de gente que não tem o que fazer”, procurem investigar mais, ler a respeito e entender antes de sair discriminando, julgando  e tirando conclusões precipitadas.  Palavras ditas sem pensar machucam, ofendem, pense como se você estivesse no lugar de um bi, como se sentiria e como gostaria de ser tratado, e que cada vez que você profere essas frases de intolerância, incompreensão, ódio, aversão à bissexualidade, lembre-se, um (a) bissexual pode estar ao seu lado ouvindo.

Eu vou disponibilizar mais links sobre o assunto e convidar a aquém interessar possa, para um evento coletivo no dia 28 de setembro desse ano de 2014, que é  um debate sobre bifobia, e vou deixar o link do grupo do Bi-sides para quem tiver interesse em acessar e entrar e do site dessa equipe também.  Vamos lutar juntos pelo não apagamento da bissexualidade, pois ela existe e deverá continuar :D !!

 visualizar tópico sobre a Intolerância com as bissexuais

 Outros símbolos da bissexualidade: 


   
 
Essa camiseta ao lado é a utilizada pelos membros do bi-sides e foi usada durante a caminhada lésbica e bissexual do dia 3 de maio de 2014, e a bandeira que representa o movimento bi. 

 "I'm not confused, it's  not just a phase, I'm not just trying it, I'm not half gay half straight, I'm not greedy, I'm not a liar, I'm not trying to be 'cool', I'm  pretty much secure. And I'm  not saying that everyone is, but I AM BISEXUAL!"



Link do evento do dia 28/09





Domingo às 14:00










Blogs sobre bissexualidade:







Mais links sobre o assunto: